Menu Principal
Portal do Governo Brasileiro
Logotipo do IPEN - Retornar à página principal

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Ciência e Tecnologia a serviço da vida

DESENVOLVIMENTO  
Portal > Institucional > Notícias > Clipping de Notícias >

Cientista nuclear iraniano é executado por espionar para os EUA

Shahram Amiri foi executado na forca pelas autoridades iranianas. Cientista nuclear foi acusado de passar informações sigilosas aos EUA.

Fonte: G1

Um cientista nuclear iraniano, Shahram Amiri, foi executado na forca depois de ser condenado por facilitar informações secretas aos Estados Unidos, informou neste domingo (7) um porta-voz do poder judicial.

Amiri havia desaparecido em junho de 2009 na Arábia Saudita, onde se encontrava em peregrinação, e voltou a aparecer em julho de 2010 nos Estados Unidos, pedindo para voltar para o Irã.

Foi acolhido então por funcionários iranianos e desde então não se tinha notícias dele.

"Shahram Amiri, que facilitava ao inimigo [Estados Unidos] informações sigilosas, foi enforcado", declarou em coletiva de imprensa semanal Gholamhosein Mohseni-Ejeie, citado pela agência Mizan Online, subordinada ao poder judicial.

"Este indivíduo não imaginava que nosso sistema de inteligência sabia o que fazia e como foi levado à Arábia Saudita", afirmou o porta-voz, acrescentando que "desde sua partida, um tribunal de primeira instância o havia condenado à morte".

"Os Estados Unidos foram enganados neste caso por nosso sistema de inteligência", disse ainda Mohseni-Ejeie, sem dar maiores detalhes.

O departamento de Estado americano se negou a dar declarações a respeito.

Em março de 2010, o canal americano ABC disse que o cientista iraniano havia desertado e estava trabalhando para a CIA.

Um dia depois de sua volta ao Irã, o New York Times, citando funcionários americanos, disse que foi durante anos informante da Agência Central de Inteligência americana, a CIA, no Irã.

Em julho de 2010, depois de sua volta ao Irã, Amiri disse que havia sido sequestrado na Arábia Saudita por dois agentes que falavam persa e pertenciam à CIA, onde foi mantido por mais de um ano.

Nessa época, a crise entre os ocidentais e o Irã, acusado de querer fabricar bomba atômica, estava em seu auge.

Entre janeiro de 2010 e janeiro de 2012, cinco cientistas iranianos foram assassinados em Teerã.

As autoridades iranianas acusaram os Estados Unidos, Israel e Reino Unido por estas mortes.

Irã e Estados Unidos não mantêm relações diplomáticas desde 1980. No entanto, nos últimos anos, os chefes da diplomacia dos dois países realizaram negociações que permitiram solucionar o problema do programa nuclear iraniano com o acordo assinado em julho de 2015, e que entrou em vigor em janeiro passado.

Eventos