Menu Principal
Portal do Governo Brasileiro
Logotipo do IPEN - Retornar à página principal

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Ciência e Tecnologia a serviço da vida

DESENVOLVIMENTO  
Portal > Institucional > Notícias > Clipping de Notícias >

Santa Casa de Sorocaba recebe pastilha de cobalto para tratamento de radioterapia

Material foi doado por clínica de Santo André e chegou quase um ano após equipamento para o tratamento de câncer ser desativado. Atendimento deve ser retomado em até 30 dias, segundo o hospital.

Fonte: G1

A Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba (SP) recebeu na tarde desta quinta-feira (9) a pastilha de cobalto necessária para que o atendimento de radioterapia seja retomado no hospital. O material que chegou por volta das 15h30 foi doado por uma clínica de Santo André, na grande São Paulo.

A unidade suspendeu o tratamento a pacientes de câncer há quase um ano, após o vencimento de vida útil da pastilha de cobalto existente no equipamento. O transporte da pastilha foi feito por um caminhão guindaste, já que o procedimento exige cuidado especial por ser um material radioativo.

De acordo com o médico responsável pela radioterapia do hospital, José Carlos Menegocci, o tratamento aos pacientes de 48 cidades da região deve ser retomado em até 30 dias. A montagem do aparelho demora cerca de cinco dias.

Entretanto, após essa primeira etapa, o especialista explica que é necessário a Santa Casa obter permissão da Vigilância Sanitária e da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), que devem inspecionar o local onde é feita a radioterapia.

Ainda segundo Menegocci, 50 pacientes fazem radioterapia na clínica Nucleon, conveniada com a prefeitura para prestar o atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto o equipamento não funciona.

Já no hospital, quando o aparelho estiver novamente funcionando, 60 pessoas poderão fazer as sessões diariamente, totalizando 110 pacientes atendidos por dia.

Tratamento suspenso

O tratamento de radioterapia na Santa Casa de Sorocaba está suspenso desde o início de novembro do ano passado. A pastilha de cobalto, que emite a radiação durante o processo, venceu e a nova chegou em fevereiro deste ano. No entanto, o material era incompatível com o aparelho do hospital.

Enquanto o impasse não era resolvido, no início de junho a prefeitura firmou contrato com uma clínica particular para continuar o tratamento de radioterapia na cidade.

A pastilha de cobalto tem o tamanho de um comprimido e custa aproximadamente R$ 1,5 milhão. Por não ter verba para comprar o material, a Santa Casa de Sorocaba recebeu a doação da pastilha de uma clínica de Santo André.

Eventos